Translate my Blog

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

O LAGO TITICACA

*****

LAGO TITICACA - PERÚ / BOLÍVIA
Junho 2005



Almoçávamos no restaurante do hotel "Inkaterra", depois da visita de Machu-Pichu, com a nossa guia Maria, quando o empregado nos disse que o representante da "Enjoy Perú" estava ao telefone e pretendia falar-nos. Dava-nos conta de distúrbios políticos em La Paz, com estrada interrompida entre Copacabana e La Paz. Para nossa segurança, desaconselhavam a viagem a La Paz, no dia seguinte, e propunham um novo roteiro para os dois dias.

LA PAZ estava nos nossos planos por ser uma bela cidade de arquitectura colonial, mas... também não nos agradava a insegurança de nos ver envolvidos em manifestações políticas de que não descrutinávamos as consequências.

Regressámos a Cusco de comboio e, no dia seguinte, ainda dentro do nosso programa inicial, partimos para Puno, de autocarro.

A viagem foi bastante atribulada. Talvez para o próximo episódio, dê para contar...

Puno é a cidade peruana mais próxima do lago Titicaca, a sudeste do país.

Ficámos alojados no hotel "Eco Inn", com vista para o lago, nas suas margens, onde descansámos até às seis horas da manhã.

Em Yunguyo, deveríamos atravessar o arco que marca a fronteira, em direcção a Copacabana, em cujo porto estaria o barco que nos levaria à Ilha do Sol.


O Arco da Fronteira Perú / Bolívia



Mas a entrada estava bloqueada por grandes pedregulhos e, por isso, o acesso à Ilha do Sol estava dificultada.

Depois dos vistos nos passaportes, num casinhoto precário, voltámos ao pequeno autocarro que nos levou, por terra batida, até a um "porto" improvisado, de onde um pequeno barco nos levou, com as bagagens aos trambolhões, até ao catamaran.



Do "porto" até ao catamaran.


O Lago Titicaca, com 8,372 quilómetros quadrados, a 3,827 metros de altitude, é o lago navegável mais alto do mundo. No altiplano dos Andes, pertence ao Perú e à Bolívia

Neve na Cordilheira Real com Ilha da Lua à frente

É alimentado por 25 rios, pelas águas das chuvas e pelo degelo das neves das montanhas que rodeiam o altiplano






É fonte de um rio, o Desaguero, que corre para o sul da Bolívia.

A ILHA DO SOL é a maior ilha do LAGO TITICACA e encontra-se do lado boliviano. Aqui, a cultura é tiwanaco, 100 a 200 anos antes de Cristo e a língua que se fala, hoje é aymara.


A Daisy já se encontra no barco!



Marinheiros vestidos a rigor.


As carrancas dos barcos de totora.


O catamaran e os barcos de totora.

Do catamaran até à ilha, um barco de totora, com marinheiros vistosamente engalanados, levou-nos até à ilha, onde desembarcámos junto da Fonte da Juventude, com as suas três bicas, que simbolizam os três princípios incas:

- Ama k'ella (Não sejas preguiçoso);
- Ama Llulla (Não sejas mentiroso);
- Ama Sua (Não sejas ladrão).



Fonte da Juventude e a subida de 200 degraus.


Depois de uma subida de 200 degraus, fizemos uma caminhada, tomando contacto com a flora da região, nos Terraços de Pachamma, com plantas medicinais e comestíveis. Uma delas é a munã, que o Alf anda sempre a cheirar, porque lhe tira as dores de cabeça devidas à altitude.

Visitámos um pequeno museu (Museu Subterrâneo Ekako), onde tomámos conhecimento da história e cultura da ilha.
O Museu.

Vimos esculturas (ekako) semelhantes aos Moai da Ilha da Páscoa, mas em ponto mais pequeno.



Escultura exposta no Museu

Os barcos típicos são as balsas de totora, que é uma erva (uma espécie de junco) que cresce no lago e que também se encontra na cratera do vulcão Rano Raraku, também na Ilha da Páscoa.

O barco e o homem do leme!


Os barcos são seguros e bastante estáveis.

As tumbas funerárias da civilização tiawanaco, eram torres com uma abertura virada para nascente. Os corpos eram preparados e envolvidos numa espécie de esteira, em posição fetal, mas com o rosto visível, virado para o deus Sol.

Fomos subindo a apreciando e apreciando a paisagem, com as águas azuis do lago, lá em baixo, os pequenos barcos à vela e o grande barco de totora que nos trouxe ao cais da ilha.

O barco que nos transportou


Os pequenos barcos de pesca.


A Marina



Perdido no meio do lago!


Toda a paisagem é bela!

Esperava-nos uma cerimónia em que um sacerdote que, queimando algumas ervas, nos fez uma prece para desejar uma boa viagem

Um altar improvisado.



A Cerimónia.

Ao fundo, a Cordilheira Real com seus picos nevados, e a Ilha da Lua.

A Ilha da Lua ou Koati, era onde viviam as mulheres escolhidas. Apenas os homens da realeza as podiam visitar, para além das sacerdotisas que iam assistir os rituais do Templo da Lua.

Descemos ao catamaran, onde almocámos. Depois, um barco a remos levou-nos ao outro lado da ilha, em cerca de meia hora.

A descida

Muito calmamente, por causa da altitude, com o guia falando sobre a história e as lendas da Ilha. Foi à Ilha do Sol que Manco Capac e Mama Ocllo chegaram, enviados pelo deus Sol, dando origem à Civilização Inca que dominou entre os séculos XII e XVI.

A ilha tem 3000 habitantes, três escolas, mas nenhum médico ou enfermeiro. Usam a medicina tradicional, baseada nas ervas e em conhecimentos que foram passando de pais para filhos.

Os caminhos são estreitos e, aqui e ali, vêem-se rebanhos e alguns porcos e burros.

Descemos até Jallapampa, fotografando a baía e as tonalidades quentes provocadas pelo sol que ia baixando.








O outro lado da ilha

Jantámos muito bem, no catamaran. Fomos surpreendidos (seria?) por um grupo de locais que nos brindaram com música e duas danças andinas muito simples, mas bem coloridas.



Os músicos e bailarinos

O camarote é acanhado e o sono foi de difícil conciliação.
De manhã, fizemos o transbordo para outro catamaran, onde nos foi servido o pequeno-almoço, enquanto nos dirigíamos ao porto improvisado de Yunguyo, onde chegámos em cerca de meia hora.
Os problemas em Copacabana continuavam e os guias tentavam convencer as pessoas a desistir da ida a LA PAZ e fazer o mesmo circuito que nós. Os alemães eram os mais persistentes: queriam manter o que tinham pago.
Kléber, o guia peruano que nos esperava, acabou por lhes dizer que a agência não se responsabilizava pelo que lhes pudesse acontecar e que, se persistissem, seria por conta e risco deles próprios.

Tudo isto foi atrazando os nossos planos. Ali tão perto, não podiamos deixar de visitar as ILHAS FLUTUANTES, que não estavam na alteração proposta pela agência. Mas Puno, tinha pouco interesse turístico além do lago... e tinhamos toda a tarde.
Com dois telefonemas, o Kléber arranjou-nos o tour.
No trajecto, fizemos um desvio para visitar Pomata (S.Tiago de Pomata) que quer dizer "Cidade do Puma".


A Porta da entrada principal


A igreja, de arquitectura mestiça (aymara e espanhola), do século XVIII, é dedicada a S. Tiago e tem umas belas janelas de alabastro que deixam passar a luz. O altar é barroco mestiço revestido a ouro. A porta de entrada é um trabalho riquíssimo com motivos da fauna e flora locais.


A cúpula rendilhada e as janelas de alabastro



O Púlpito dourado


Porta de entrada lateral

O cruzeiro de alabastro sobressai, fora.


O Cruzeiro de alabastro

Era dia de festa e as gentes estavam vestidas com roupas muito coloridas.



As meninas!



E os meninos!


Fomos, depois, direitos ao porto de Puno. Fizemos um almoço ligeiro com coisas que comprámos nas bancas, servindo-nos de buffet improvisado no pequeno barco que nos aguardava.
Tínhamos que nos apressar porque, a partir das 15 horas, nenhum barco de turistas era autorizado a dirigir-se às ilhas.
A maior profundidade do lago é de 280 m, mas as ilhas encontram-se em locais de dez a vinte metros de profundidade.
Em cerca de cinco minutos, chegámos lá.
É um espectáculo singular.


Já se começavam a ver as ilhas

Não há, no mundo, nada igual.

Estávamos a chegar à primeira ilha
As ilhas visitáveis pelos turistas, são apenas vinte, mas existem mais quarenta e cinco a cerca de três quartos de hora destas.







As ILHAS têm cerca de dois metros de espessura de totora. A totora cresce no lago e é utilizada para comer, para construir os barcos e as casas, e para manter a própria ilha a flutuar.

Barco de totora

As casas que podem ser alugadas pelos turistas.



Vista do miradouro, a Daisy em cima da ilha


Cada seis semanas, têm de acrescentar outra camada, porque a que está em contacto com a água apodrece.
Antigamente utilizavam essa parte para substituir a terra e fazer algumas culturas, como a batata. Hoje em dia, vão a terra firme vender o peixe, os ovos das aves e compram o que necessitam.

Venda de artesanato
Têm escola primária nas próprias ilhas, vindo os professores de Puno, em barcos a remos.
Também se vêem crianças "a caminho" da escola, remando em pequenos barcos.


A escola e o "hotel"


Crianças no recreio

O governo pôs baterias solares em algumas ilhas e, assim, têm telefone e electricidade

Telefone público nacional e internacional


Esta comunidade independente, como um Estado, chama-se LOS UROS e tem uma cultura própria. Actualmente, a língua já não é a antiga, mas aymara. Mas a sua cultura manteve-se, não tendo integrado nem a cultura inca nem a espanhola

Mulheres conversando

As mulheres nunca abandonam as ilhas.
Os homens pescam e vão ao continente vender o seu pescado, os ovos das aves marinhas e as próprias aves, trazendo o que mais precisam.




Só vimos mulheres e crianças



Miradouro



Mulher tecendo



Venda de artesanato



Barcos com redes de pesca


Algumas das ilhas alugam casas aos turistas que lá queiram dormir, muito asseadas e enfeitadas com tapeçarias coloridas.

Sentados na cama do quarto do hotel


À porta do quarto do hotel

A sensação de pisar o chão flutuante, é única.




No pequeno barco, circundámos outras ilhas flutuantes.


E, depois, afastámo-nos em direcção a Puno.
Para trás, ficaram as ILHAS FLUTUANTES.

18 comentários:

Maria Julia disse...

O que dizer Alf e Daisy???
Fotos lindas de morrer e texto da Daisy, narrando tudo para nós, ao vivo e a cores e como vi cor!!!
Ilhas, principalmente a do Sol em totora, por tal água bastante, do Lago Titicaca, para meu deleite, verdes fabulosos, neve, passear de barco feito de totora, dormir num hotel/ palhota de totora em cima de solo da dita totora...Que exausta estou!!!
Estou deliciada, mas muito baratinada com civilizaçoes tao, tao diferentes e nomes esquisitos que nao consigo fixar, para algo de eles comentar...Por isso apenas e tao só digo, que quem está TITICACADA sou eu e nao o Lago Titicaca no Perú.
Obrigada por mais esta belíssima viagem.
Beijitos e hasta manhana!

Júju.

Maria Julia disse...

ALF???? Sim estou chamando!!!

Emenda aí o raio do esquisito, para esquesito, if you....

Júju.

maria disse...

Lagos com uma água transparente,ilhas flutuantes graças à totora,barcos da mesma, munã,escultura,costumes e situações imprevistas cheias
de graça...

Assim vou continuando a "navegar"
saboreando o prazer de ficar a conhecer mais e mais através dos
vossos registos.

Até amanhã!

Olinda

abilio disse...

Ler a descrição das vossas viagens é um deleite que desperta o desejo de conhecer mais desses povos que vivem ainda num estado quase puro em simbiose perfeita com a natureza.
Abílio

cota13 disse...

Alfredo Obrigado por mais esta viagem linda.
Um Abraço.
Tonito.

Anónimo disse...

Mas que maravilha de blog,Alfredo,Sim senhora muito elucidativo.Obrigada

Suzana Maria Redondo
(Mensagem recebida no FB)

. disse...

Que dimensão de natureza!!!!!!
Esse povo, tão distantes do nosso mundo dito "civilizado", mas que faz relativizar todo o nosso conceito de civilização e valores!

Que continuem a bela viagem.
Um Beijo
Dina Sebastião

Anónimo disse...

O passeio pelo lago titicaca foi espectacular.
Um abraço.

Tonito Menezes

(Recebido por email)

Quito disse...

Amigos Daisy e Alfredo
O vosso blog é um regalo para a vista.
A narrativa da Daisy é realista, e as fotos de uma extrordinária beleza.
Não posso deixar de realçar, mais uma vez, o espírito de aventura que vos leva a lugares tão belos, exóticos e distantes.
Terem a possibilidade de conviver com outras gentes, outras crenças e outras culturas é algo que não está ao alcance de muitos.
Temos que agradecer esta partilha.
Que por muitos anos possam continuar a fazer as vossas belas viagens, porque sabemos que "viajando" convosco, muitos de nós poderemos dar um pouco azo ao nosso imaginário e "embarcar" nas vossas aventuras.Uma delícia!
Um abraço
São e Quito

Rui Felício disse...

Advirto que não são apenas palavras de circunstância ou de simpatia para este casal, aquelas que me trazem aqui.
Não que as não mereçam, mas são desnecessárias porque eles já sabem muito bem o quanto os considero.
............................
Fico indeciso sobre como começar, procurando dizer o essencial escrevendo pouco.
Não imaginava que no alto de 2 serras da Estrela sobrepostas pudesse haver um lago de tamanhas dimensões.
Só por si esta raridade da natureza já seria motivo bastante para agradecer ao Alfredo e à Daisy a partilha connosco das suas incessantes viagens por sitios do mundo que muitos, como eu, nunca ouviramos sequer falar.
Sonhamos com as grandes cidades do mundo e esquecemo-nos dos recantos escondidos da Terra que nos mostram como ainda há povos que fazem uma vida tão diferente daquela que os nossos parametros ocidentais nos habituaram a viver.

Mas importa dizer que essas belezas naturais e civilizacionais que o casal Morerinhas nos traz, mais aliciantes e belos se tornam pela qualidade inigualável das fotografias e pelos textos objectivos e claros que as acompanham.

Dito de outra forma, aqueles locais exóticos não prenderiam a nossa atenção se não fossem documentados por verdadeiras obras de arte fotográfica que só a sensibilidade e a técnica do Alfredo conseguem.

E, mesmo assim, muitas coisas ficariam incompreensiveis se a Daisy não as complementasse com a atracção e a objectividade da sua escrita inconfundivel.
.............
Como eu gostava de ter dormido uma noite numa daquelas casas onde este casal de viajantes se deixou fotografar!

Obrigado Alfredo
Obrigado Daisy

Rui Felício

celeste maria disse...

A Daisy e o Alfredo bebem a água da Fonte da Juventude!

Dormem nas Ilhas flutuantes!

E nós sonhamos, ao ver as maravilhas da Natureza.

Obrigada pela partilha.

carlos disse...

Daisy e Alfredo,
Confesso que, desta vez, nada vislumbro no meu horizonte de má língua profissional para criticar seja o que for.Sinto-me derrotado !

Derrotado mas contente, meus queridos amigos, por poder observar que vocês continuam a procurar matar a vossa sede de conhecimento, a vossa saudável necessidade de esmiuçar os mais escondidos recantos do mundo, dissecando-lhes a beleza natural e nunca perdendo de vista o respeito por culturas antípodas da nossa.
A generosidade com que oferecem o conhecimento adquirido aos vossos amigos, merece a gratidão.
Portanto, aquele abraço.

"""""""""""""""""""""

Nota importante:
O comentário que acabei de fazer em nada foi influenciado pelo cabrito e pela caixa de vinho de Sicó que tiveram a amabilidade de me oferecer.

Carlos, O Incorrupto

carlos disse...

E agora, aqui que ninguém nos ouve, o piegas desse tal Phelício que vá dormir p'rá Ericeira. Olha o gajo, heim ?! Num queria mais nada !

Carlos, Olho Vivo.

Rui Felício disse...

Permita-me o anfitrião Alfredo, em defesa da honra, ripostar à desabrida intervenção a meu respeito feita pelo Chefe Carlos Viana.

Só a perversidade da sua mente sugeriria que o meu desejo de pernoitar naquelas casas poderia significar algo mais que o descanso sob o pesado silêncio só entrecortado pela cadência ruidosa do meu ressonar, a quase 4.000 metros de altitude.

Coisa que nunca experimentei...

Um último reparo:
Vejo que o Chefe Viana deve ter andado a estudar por alguma nova Cartilha Maternal. É que usou a expressão de negação "NUM" em vez do advérbio "NÃO", na última frase que escreveu.

Modernices linguísticas...

Rui Felício

Maria Julia disse...

E já agora Rui felício, volto para te dizer e a todos, que partilharia o quarto contigo...
Jokitas.

Júju.

Rui Felício disse...

Passei o dia numa indecisão atroz.

Se devia calar-me fingindo que aqui nao tinha vindo ou se devia assumir que vim e que li o último comentário da JuJu.

Decidi-me por uma atitude hibrida.

Que revelo:

Interpretei a decisão da JuJu como ditada pelo seu amor à natureza, não querendo prescindir duma experiência única como é a dormir numa daquelas exóticas casas a uma altitude de 4 Kms!

Tal como eu, que manifestei esse desejo logo que vi as belas fotos do Alfredo!

Se tal se viesse assim a passar realmente, não deixaria de aconselhar a JuJu a colocar uns tampões nos ouvidos, porque eu ressono estrepitosamente...

E, a tal altitude acho que o ressonar ainda seria mais ruidoso e violento, dada a rarefacção do oxigénio ...

Mas isso ela saberá melhor do que eu, porque é médica...

Alfredo Moreirinhas disse...

Bom! JÚ e RUI, Decidam-se!!!
Estou à vossa disposição para dar umas dicas se lá forem dormir! Já conheço aquilo como as minhas próprias mãos!
Se algo de diferente acontecer, além de apreciarem a natureza, digam-me também, para eu mudar o nome do Blog, para "Pontos de encontros - Coisa séria"

Jottaelle ' J. Leitao disse...

Obrigado Daisy!
Obrigado Alfredo!
E assim vamos dando volta ao mundo...com a vossa "boleia"!
Abraço