Translate my Blog

domingo, 5 de junho de 2011

TOSCANA - Sinalunga, Arezzo, Na Rota de Piero della Francesca e Andrea della Robbia, Monterchi, Anghiari, Sansepolcro, Bolonha


24, 25, 26 Setembro 2010


Despedimo-nos do Agro-turismo "Cerreto"
e do belo Vale de Chiena
onde ele está situado, depois de esvaziar a cesta do pequeno-almoço.

A caminho de Arezzo, parámos em Sinalunga, para tomar um café, aproveitando para uma visita rápida.
Na Piazza Garibaldi, onde estacionámos, está uma pequena igreja azul, San Michelle Arcangelo e uma amarela,
maior, dedicada a San Martino.
De Sinalunga, tínhamos ouvido falar do Teatro Ciro Pinsuti, compositor conhecido, filho da terra(séc. XIX), e que é o ponto turístico local, por ser uma pequena réplica do Scala de Milão.
Seguimos a via San Martino
e deparámo-nos com o edifício, sem graça e com o nome estampado numa porta FECHADA
e modernaça(!).
 ALguns edifícios etruscos
merecem a atenção do visitante.
Perto de Arezzo, procurámos o nosso refúgio para a visita à cidade. Chama-se "Badia di Pomaio"
e é um 4* numa antiga abadia aonde se chega por uma estrada serpenteante e muito verde. Bem no alto, tem um espaço exterior muito bonito, com vista espectacular para a cidade.
Arezzo é capital provincial e foi fundada pelos etruscos. Coroada por uma Catedral e uma Fortaleza, desce em terraços pela colina até uma fértil planície próxima do rio Arno. Durante o período romano, enriqueceu produzindo vasos vermelhos vidrados. Durante a Idade Média era rica em ouro e joalharia.
O estacionamento junto à muralha, é amplo e gratuito.
Atravessando a muralha
pela Porta de S. Biagio, encontramos a bela Basilica di San Domenico.
Com um exterior simples, deslumbra-nos no interior com belos frescos e, principalmente, pelo Crucifixo de Cimabue,
uma das representações mais dramáticas do "Cristo Doloroso", do séc. XIII.
Almoçámos no "Bar il Duomo", um self-service com muita qualidade e bom preço.
Na Piazza del Duomo, a Catedral,
construída ao longo de 250 anos, a partir de 1278, estilo gótico. Ao seu lado esquerdo, o bonito edifício Casa Trisori Etrusco.
Em baixo, o Palazzo Comunale,
em cujo átrio estava uma interessante exposição de esculturas em metal, com cenas de batalha
com cavalos, cavaleiros, sarracenos, donzelas e mulheres árabes com burca. Nicola Zamboni e Sara Bolzani, são os artistas contemporâneos.
Nesta praça e na escadaria da Catedral, foram filmadas algumas cenas do filme de Roberto Benigni, "La vita è bella".
Na via Cavour, na Basilica di San Francesco,
pode admirar-se o fresco do coro "lenda da Verdadeira Cruz" (1448-1466), o maior ciclo de frescos pintados por Piero della Francesca, encomendado pela Família Bacci. Os quadros contam a história que relaciona a história física da cruz de Cristo que terá sido feita da Árvore do Conhecimento do Jardim do Éden e a origem da maçã de Eva com o ciclo do Homem.
Caminhando em direcção à Piazza Grande, vislumbra-se a torre da igreja Sta Maria della Pieve.
A Piazza Grande
é uma cópia, em ponto pequeno, do Il Campo de Siena, também de pavimento inclinado, palco da Giostra del Saracino,um torneio entre cavaleiros com trajos medievais em que o sarraceno, estilizado, pode virar-se e derrubar o cavaleiro. Realiza-se no 3º domingo de Junho e no 1º domingo de Setembro.
Na Piazza Grande, encontramos a bela igreja de Santa Maria della Pieve,
do séc. XIII, estilo românico lombardo, a Arcada Vesari e os belos palazzi
góticos e renascentistas, entre eles o Palazzo dei Fratern.
Os turistas são poucos e a praça tem um encanto especial, sabendo bem aquele gelado serenamente saboreado numa das esplanadas da Arcada Vasari.
O dia é especial e festejámos os nossos 33 anos de casados no restaurante do "Badia di Pomaio" à luz das velas e de um esplêndido "Poggio di Ponte", tinto.
De manhã, madrugámos porque o dia seria longo até Bolonha.
E metemo-nos a caminho, em busca dos sinais de Piero della Francesca, um dos artistas mais importantes do Renascimento, que nasceu em Sansepolcro por volta de 1420. A sua carreira de pintor foi interrompida por problemas de visão e os últimos anos da sua vida foram ocupados a escrever dois tratados, "Sobre a Perspectiva na Pintura" e "Os Cinco Corpos Regulares".

A primeira paragem foi em Monterchi,
uma pequeníssima aldeia, entre muralhas, rodeada por campos cultivados, como uma paleta de cores.
Na via Reggio,
está o local da "Madonna del Parto",
pintado no séc. XVI, representando a Virgem em adiantado estado de gravidez, de aspecto cansado, sendo um dos retratos mais invulgares de Maria na arte ocidental. Foi pintado numa capela próxima e era ponto de peregrinação de mulheres grávidas. Removido, encontra-se no pequeno museu com o nome do pintor.

Anghiari
fica perto, rodeada de paisagens de tabaco e girassóis. Tem o charme de uma típica vila toscana, com muitas ruas estreitinhas, becos, escadas e arcadas.

Aqui, pode ver-se a terracota policromada da Escola della Robbia,

 na igreja românica de Sant'Agostino.

Sem turistas,

as pessoas andam calmamente nas ruas,
conversa-se de janela a janela e as crianças brincam em harmonia.
Na descida, já em debandada, parámos para a foto do casario na encosta.

Sansepolcro,
é o lugar de nascimento de Piero della Francesca. Fica no sopé dos Apeninos, no vale do Tibre, a 8 quilómetros de Anghiari. Foi fundada no séc. X por dois monges quando regressavam da Terra Santa trazendo uma relíquia do túmulo de Cristo.
A Catedral di San Giovanni Evangelista,
românico-gótica, é dos séculos XI a XIV, sombria, fracamente iluminada pelo brilho de alabastro de uma janela-rosácea.
Possui um "Il Volto Santo" de Cattani (1146), um tabernáculo do séc. XVI de Arte Robbiana
e, também da mesma Arte, um "San Romualdo" e um "San Benedetto de Norcia" do séc. XVI.
Antes da visita ao Museo Civico, passámos na Piazza Torre di Berta,
via Piero della Francesca, Piazza Garibaldi.
Na antiga sede do Município, agora Museo Civico,
estão duas das mais importantes obras do pintor. O "Políptico Madonna della Misericórdia"

é composto por 24 tábuas tendo, ao centro, a majestosa e hierática figura da Madonna que acolhe, debaixo do seu manto, como um grande tabernáculo, os membros da confraria que encomendou o retábulo.
A "Ressurrezione",
é um grande fresco na parede central da Sala dell'Udienza. (A fotografia mostra um pormenor do quadro). Considerada uma das obras mais representativas do artista, é a expressão humana e espiritual da Ressurreição de Cristo, com a figura do Salvador a dominar a cena, forte e solene, ao amanhecer de um novo dia, com os guardas adormecidos aos pés. No soldado sem capacete, no centro, estará retratado Piero com a base da bandeira atrás dele que, segurada por Cristo, indicará o contacto directo com a divindade, para inspiração do pintor.
Outros frescos de della Francesca, como "San Julián" e "San Ludovico" também se podem admirar no Museu. Bem como várias terracotas policromadas vidradas de Andrea della Robbia, como o retábulo "Madonna con Bambino".

Era perto das quatro da tarde quando iniciámos , sem paragem, a viagem até Bologna com o GPS programado para o "Hotel Cosmopolitan Bologna", um 4* na zona das feiras internacionais, bem diferente dos pequenos hotéis por onde andámos na Toscana.
A primeira impressão da cidade não foi muito positiva. Chegando de noite,
parece suja e muito escura. Os edifícios são todos de uma volumetria impressionante.
Direitos à Piazza Maggiori, com o GPS, não foi fácil estacionar e arranjar um restaurante. Quase toda a gente, a maioria muito jovem, comia de prato na mão, de pé ou sentados no exterior. Numa zona de ruas muito estreitas e pouco iluminadas, parecendo o "gueto" de Veneza, deparámos com um letreiro "Caldo Verde" e outro "Vinho Tinto Ribatejano"! Não, não era um restaurante de portugueses. O único som português tinha sotaque brasileiro e era de uma das funcionárias, que era de São Paulo, a viver há 12 anos em Bolonha. É a "Enoteca El Carro",
na via El Carro e serviu-nos muito bem.
No dia seguinte, domingo, não foi fácil chegar ao centro da cidade velha. Sentidos proibidos e ruas fechadas, com tendas, mercados e muita gente a pé e de bicicleta. Não havia GPS que nos salvasse!...
A muito custo, estacionámos num lugar para residentes pois os parques de estacionamento públicos estavam fechados (!!!).
A profusão de palácios e arcadas
(são 38 quilómetros de arcadas,
o que dispensa o guarda-chuva!...) é evidente.
Da Piazza di Puorta Ravegna, começámos o percurso a pé, fotografando as Due Torri,
do séc. XIII que impressionam pela altura e, vistas de baixo, dão a impressão de estarem inclinadas.
Na Piazza Maggiori,
encontrámos a Catedral em obras.
Em frente, o Palazzo Re Enzo (1249).
À direita, o Palazzo Podestá, com torre, também do séc. XIII.
À esquerda, na Piazza Nettuno,

a bela Fontana del Nettuno (1563) com sereias a deitar água pelos mamilos e leões vomitando água cristalina.
Mais à esquerda, o Palazzo d'Accursio, que é museu.
Saindo da Piazza Maggiori pela via dell'Archiginnasio, vê-se as traseiras da Catedral
e no Palazzo dell'Archiginnasio
que é a Bologna Universitat desde o séc.XVI. Em 1803 mudou para o Palazzo Poggi, na via Zamboni e tornou-se um ponto turístico muito interessante, com belos frescos nos tectos das arcadas
e um belo claustro quadrangular.
E regressámos ao ponto de partida, a Piazza Porta Ravegna, passando muitas arcadas 
e recantos
que poderiam ser mais bonitos se o espaço não fosse tão claustrofóbico.

No aeroporto Guillermo Marconi, vivenciámos grande desorganização, com pouca precisão nas informações. O único ponto negativo desta viagem, que foi das mais belas que fizémos. Mas isto não ofuscou a grande beleza da TOSCANA!



*****

9 comentários:

São Rosas disse...

Mas que pouca vergonha é esta?!
Isto estava tão bem e... sereias a deitar água pelos mamilos?! Sereias a deitar água pelos mamilos?!
Eros vos valha!...

RI-RI disse...

Nada melhor para ressacar das eleições, do que mais uma viagem à borla com liçao de história acoplada.
Sabe bem!

Maria Julia disse...

LINDO, lindo, lindo!!!

De novo, fotos e descrição das mesmas fabulosas e a Toscana é de facto um encanto...

Obrigada Alf e Daisy, por nos proporcionarem destas "viagens".

Beijinho.


Juju.

Vanda Rafeiro disse...

Qu'inbeijaaaaaaaaaaa........... já vigiei e logo vejo melhor..... Um abraço!

Ana Maria Páscoa Dias disse...

Bonito! Adorei esta viagem com que nos presentearam. Bj

celeste maria disse...

Daisy, cada reportagem da viagem à Toscana, mais linda e completa do que a outra.Uma maravilha!!!

Cá ficamos a aguardar...

Titá disse...

A viagem, como sempre, foi boa. Confesso que achei alguns locais um bocadinho tristonhos, mas talvez tenha sido defeito meu. Quando cheguei ao fim fiquei simplesmente encantada com a última foto.
Abraços

Saint-Clair Mello disse...

Prezado Moreirinhas, somente agora entrei no comboio para esta viagem maravilhosa. Nunca é tarde para nos deliciarmos com seus textos e suas belíssimas fotos.
Parabéns mais uma vez!

Dom Rafael "O Castelão" disse...

LA VITA É BELLA!
E as imagens são a prova disso!